Marcos Gobbo Cirurgia Plástica: Nossa sessão de fotos com Marcio Sheeny – Clínica Barra

Olá, queridos!

Começamos o ano com a meta de cumprir alguns dos anseios expressados pelos queridíssimos pacientes que dedicaram alguns minutos do seu tempo para participar da pesquisa de satisfação que fizemos no final do ano passado.

E, antes de seguir, registro aqui nosso MUUUUUUITO OBRIGADO a vocês que participaram! 🙏🤗🌹

Um dos pedidos que muitos externaram foi o desejo por uma maior presença online nossa.

Estamos dando uma repaginada em nossas mídias sociais. Em especial, o blog está de cara nova (reparou?…) e configuramos o mesmo de modo que nossos seguidores mais fiéis recebam uma notificação por e-mail cada vez que postarmos conteúdo novo nele.

Se você quer receber notificações do nosso blog, procure nesta página mesmo o botão “SEGUIR DR. MARCOS GOBBO CIRURGIA PLÁSTICA”.

Mas… seguindo com as novidades…

Tiramos um tempo para uma sessão de fotos com Marcio Sheeny, que veio ao nosso consultório principal na Barra para fotografar os espaços e, de lambuja, ainda tirou algumas fotos minhas e de Lizia, minha secretária.

Compartilho com vocês algumas impressões.

Espero que gostem…

Não reparem minha carinha de cansado. Tinha acabado de sair de uma cirurgia longa. 😉

Por hoje é só…

E segurem firme… que ainda vem mais novidade pela frente… 😉

Grande abraço,

Dr. Marcos Gobbo & Equipe

Cirurgia Plástica no Inverno

Post 01-06-16

O inverno é a estação do ano favorita de muitos pacientes que se submetem a uma cirurgia plástica ou outro procedimento estético. Muitas são as vantagens:

👍 As temperaturas mais amenas não só são mais confortáveis como também atenuam a incidência de edemas (inchaços).

👍 As temperaturas também tornam menos desconfortável o uso obrigatório de cintas e sutiãs pós-cirúrgicos, que, por serem mais grossos, esquentam o corpo.

👍 Fica “mais fácil” não ir à praia e, com isso, também se expor menos ao sol – o que fica proibido por alguns meses após a cirurgia para não prejudicar a cicatrização. Também procedimentos (como laser, peeling etc.) têm contraindicação para a exposição solar, exigindo uso disciplinado de bloqueador solar bem como acessórios adicionais (óculos escuros, chapéu etc.). ⚠ Não respeitar essa restrição à exposição solar pode acarretar manchas permanentes!

Resumindo, isso não significa que outras estações do ano tenham contraindicação para a realização de procedimentos cirúrgicos e não-cirúrgicos. Tudo dependerá da disciplina e disposição do paciente oara seguir à risca as orientações quanto à conduta e restrições no período de recuperação.

Mas é verdade: a estação mais amena dá uma mãozinha, tornando o processo mais confortável.

E assim nossa agenda vai ficando mais requisitada por agora…

Os grandes vilões do envelhecimento cutâneo

Post 31-05-16

O sonho moderno de se ter uma pele sempre linda e jovem alimenta uma demanda constante. E esta tem sido a força motriz dos constantes avanços na Medicina, que nos oferece uma gama cada vez maior de alternativas em tratamentos.

Mas você, na sua rotina, também pode fazer muito pela sua pele, retardando o aparecimento dos sinais da idade.

Post 31-05-16a

Fonte: http://www.alemdabeleza.com.br/Secoes/Prevencao/Os-grandes-viloes.aspx

Cirurgiões plásticos que escutam música fazem suturas melhores e de forma mais rápida

Estudos anteriores já haviam demonstrado que a música na sala de operação reduz a pressão sanguínea dos cirurgiões. Agora, um novo estudo publicado no Aesthetic Surgery Journal indica que, além disso, cirurgiões que escutam suas músicas favoritas durante procedimentos suturam melhor e mais rápido.

O estudo convidou 15 cirurgiões plásticos para fazerem suturas em pele de porco, que tem textura semelhante à humana. Os profissionais foram divididos em dois grupos: um desempenhou a tarefa escutando música e outro não. Em média os cirurgiões plásticos que ouviam música foram 7% mais rápidos. Profissionais mais experientes tiveram desempenho ainda melhor, sendo 10% mas velozes. Também a qualidade com que a tarefa foi desempenhada mostrou-se superior.

Segundo Dr. Shelby Lies e Dr. Andrew Zhang, da Universidade do Texas e autores do estudo, a redução do tempo de cirurgia traz benefícios não só para os profissionais como também para o paciente, que fica submetido menos tempo à anestesia, e para o hospital, que ganha com uma redução de custos por uso do centro cirúrgico.

Então, “vamos lá”… “Som na caixa!” rsrsrs 😉
Um pouquinho de Michael Bublé para vocês…

“Estrelando” no vídeo, Gisela Maria Carvalho, Gilberto Cezar Helmer e Marcos Gobbo.
Filmagem da nossa anestesista Beatriz Moraes.

Fonte: blog da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, abril de 2016 (http://www2.cirurgiaplastica.org.br/cirurgioes-plasticos-que-escutam-musica-fazem-suturas-melhores-e-de-forma-mais-rapida/)

Sinais de Beleza

Nas sociedades globalizadas, há uma concordância quase universal sobre o que é belo. Há sim uma influência das mídias no inconsciente coletivo, mas sinais de beleza na raça humana são conceitos milenares.
Estudando a Anatomia da beleza ocidental feminina e masculina, encontramos alguns sinais. (Veja abaixo.) Apesar das diferenças entre parâmetros femininos e masculinos, de maneira geral, o que realmente importa é o equilíbrio entre as estruturas da face, incluindo nariz, queixo, região malar e área mandibular.

 

Sinais de Beleza Feminina

Post 28-05-16a

1 – Região malar (maçãs do rosto) discretamente proeminente.

2 – A região malar se prolonga pela região zigomática (osso zigomático) em direção ao lobo superior da orelha. O zigomático discretamente proeminente vai se estreitando e terminando suavemente no nível geral da face.

3 – O efeito “blush”, é um sulco leve e largo na bochecha, formado por uma depressão entre proeminências do malar e do zigomático de um lado e a mandíbula do outro.

4 – Mandíbula bem definida, com ângulo entre suas duas partes (o ramo e o corpo) tendendo ao reto.

5 – Arqueamento ou elevação da cauda das sobrancelhas

 

Sinais de Beleza Masculina

Post 28-05-16b

1 – Região malar e zigomática proeminente, mas mais discreta ou mais retificada do que na mulher.

2 – Mandíbula bem definida, com ângulo entre suas duas partes (o ramo e o corpo) tendendo ao reto, dando senso de simetria e equilíbrio e ajudando a formar um discreto efeito “blush”. Uma mandíbula pouco marcada pode fazer um nariz normal parecer grande e um já proeminente parecer ainda maior. Por outro lado, uma mandíbula proeminente demais pode dar um aspecto exageradamente forte. Aqui vale a medida certa, com base no ângulo.

3 – Queixo largo e bem proporcionado, mas maior e mais quadrado do que na mulher.

4 – Nariz proporcional e retilíneo.

5 – Equilíbrio entre malar, mandíbula, queixo e nariz.

6 – Sobrancelhas retificadas (ao contrário do padrão feminino)

 

Técnicas de “Embelezamento”

Podemos utilizar os mesmos recursos (preenchimentos, toxina botulínica, etc.) para o embelezamento tanto feminino quanto masculino, mas os protocolos e planos de aplicação têm suas peculiaridades, respeitando as diferenças estéticas.

A Técnica de Preenchimento Profundo pode:

  • criar ou aumentar estas linhas de beleza na face, definindo por exemplo as áreas malar e mandibular;
  • modificar o nariz, arrebitando a ponta ou removendo uma proeminência dorsal;
  • promover um aumento do queixo.

A toxina botulínica pode elevar as sobrancelhas, mas devemos nos atentar que este é um padrão de beleza feminina e homens precisam de sobrancelhas retificadas.

Alterações mais complexas e/ou extensas precisam às vezes ser cirúrgicas, por exemplo um lifting facial (para faces mais envelhecidas) ou uma rinoplastia (caso o nariz necessite de intervenções estético-funcionais mais extensas).

Tudo passa sempre por uma avaliação individual pormenorizada no contexto de uma consulta médica.

Fontes: http://www.naturale.med.br/bioplastia/bioplastia_sinais_de_beleza.htm; https://majorityrights.com/weblog/comments/the_facial_proportions_of_beautiful_people; http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3130383/

O que acontece se eu engravidar após uma abdominoplastia?

Post 27-05-16

Essa é uma pergunta que várias pacientes de abdominoplastia fazem.

A cirurgia não restringe a possibilidade de engravidar após o procedimento. Em geral, um ano após a abdominoplastia, o corpo já está em condições de tolerar bem a gestação.

Mas a gravidez naturalmente distende o abdome e pode, sim, reduzir os benefícios trazidos pela abdominoplastia’.

Ideal mesmo é você planejar sua prole antes de se submeter ao procedimento.

De qualquer forma, caso seu corpo sofra alterações inestéticas com esta gestação pós-abdominoplastia, é possível, passado o período de amamentação, submeter-se a uma nova abdominoplastia. Mas lembre-se: Toda cirurgia é um procedimento invasivo e não deve ser feito indiscriminadamente. Converse com seu médico, avalie seu caso. E não cometa excessos. Tudo deve sempre ser feito de forma ponderada e bem planejada.

Diástase Abdominal

Post 26-05-16

A diástase do músculo reto abdominal é uma manifestação clínica visível no meio da barriga, com abertura ou abaulamento da região, principalmente durante esforços, por conta de um afastamento entre as porções direita e esquerda do músculo.

Acomete mais comumente mulheres que passaram por diversas gestações. A falta de condicionamento da musculatura em mulheres sedentárias, quando unida a hormônios da gestação que causam o relaxamento muscular, um bebê grande e excesso de líquido amniótico, aumenta a predisposição para se desenvolver o quadro.

Mas a diástase também pode ocorrer em caso de obesidade, desnutrição ou aumento da pressão intra-abdominal (por ex. no caso de um tumor).

A separação do músculo reto abdominal pode comprometer a estabilidade corporal, comprometendo a postura e causando dores lombares, que vão muito além dos problemas estéticos.

Ela é diagnosticada por meio de exame físico, ultrassom e tomografia – exames que comprovam e medem local e extensão da diástase.

É possível reduzir as chances de diástase, mantendo um intervalo entre as gestações de pelo menos 2 anos e realizando exercícios físicos para fortalecer a musculatura da região.

Nos casos de pequenos afastamentos, muitas vezes é possível reverter a situação com exercícios físicos. Mas ATENÇÃO! Exercícios mal executados podem causar uma piora do quadro. Por isso é fundamental buscar um bom profissional para orientar e acompanhar você.

Em caso de diástases maiores, pode ser indicado o tratamento cirúrgico, com pontos para unir a musculatura afastada, normalmente incluído no plano cirúrgico de uma abdominoplastia ou miniabdominoplastia.

Confira também maiores informações sobre a abdominoplastia:

Simastia

Post 24-05-16

Um sulco intermamário, ou seja, uma região entre as mamas baixa e sem volume faz parte de um belo colo. Simastia (ou sinmastia) é a confluência medial das mamas, que leva à formação de uma ponte de pele comunicando o contorno de ambas as mamas. Ou seja, as mamas ficam um aspecto unido, como se estivessem “coladas”.

Simastias de origem congênita estão normalmente associadas a mamas hipertróficas (grandes), geralmente simétricas.

Mas a ocorrência mais frequente atualmente se deve a cirurgias de implante mamário realizadas de modo inadequado. Nesse caso, ocorre o deslocamento medial (no centro do tórax) das próteses, por conta de:

  • próteses muito grandes (em relação ao tamanho do tórax da paciente);
  • imperícia por parte do cirurgião – por ex., descolamento cirúrgico excessivo na região do esterno ao confeccionar a loja (espaço que acomodará a prótese);
  • complicações pós-cirúrgicas – por ex., intenso e persistente edema (inchaço), ocorrência de hematoma ou seroma (acúmulo de líquidos na loja) grande ou persistente, que possa aumentar o descolamento da loja;
  • traumatismos que causem a contratura capsular das próteses, deslocando-as no sentido medial e, com isso, unindo-as.

Em todos os casos (exceto edema), a correção é cirúrgica, utilizando a mesma incisão da cirurgia anterior. Não se trata de um procedimento de simples execução. Portanto seja criteriosa na escolha do profissional. Técnicas complementares têm o intuito de otimizar o resultado cirúrgico, como por ex.:

  • troca do implante (tamanho menor);
  • capsulectomia medial extensa (retirada do pedaço da cápsula com contratura, na parte central);
  • capsulorrafia interna (sutura interna da cápsula, redesenhando a mama e refazendo sua curvatura).

A plena cooperação da paciente no pós-cirúrgico, que é bastante restritivo, é primordial.

Postura – Elegância – Beleza

Elegância é a única beleza que nunca se esvai.”
(Audrey Hepburn, atriz e humanitária britânica, 1929 – 1993)

Post 22-05-16

Postura reúne elegância, saúde e beleza. A boa postura, além de emitir sinais não-verbais positivos para as pessoas com quem interagimos, beneficia coluna, músculos, articulações, respiração e digestão. Por isso, vale a pena tratar o tema com carinho.

Aqui algumas dicas para o nosso dia-a-dia:

👉 Ao caminhar deixe os braços soltos ao lado do corpo, não os balance demais. Evite passos largos, que mais parecem uma marcha. Levante os pés, nunca os arraste! Mantenha a cabeça erguida e olhando para frente. Somente quem está triste caminha cabisbaixo, isso passa uma imagem negativa.

👉 Uma má postura acentua a indesejável barriguinha. Busque manter os ombros retos, escápulas fechadas, costas eretas e o abdome contraído.

👉 Não projete seu corpo para frente como se estivesse carregando o mundo nas costas. Experimente “sorrir” com os ombros. Já reparou que quando falamos de costas eretas, todo mundo se observa e se endireita? Que você dar o bom exemplo?…

👉 Às vezes, o corpo já está tão condicionado à postura errada que a postura correta não só exige muito esforço como também deixa uma sensação corporal “estranha”! Mas lembre-se, se você acostumou comum jeito, também pode se condicionar para outro, se é por uma boa causa… 😉

Fontes: http://blogs.universal.org/cristianecardoso/pt/a-postura-da-mulher-elegante/; http://admiravelbeleza.blogspot.com.br/2014/06/a-postura-da-mulher-elegante.html

Cuidados com a cicatriz após cirurgia

Post 20-05-16

Qualquer incisão cirúrgica, por quebrar a barreira tecidual, desencadeia a produção de colágeno no local como parte do processo de recuperação. Na primeira fase de uma cicatrização normal (aprox. 3 meses), o colágeno se acumula na região lesada, aumentando a resistência do tecido. Além disso, há um aumento da vascularização, deixando a cicatriz mais aparente e avermelhada. Depois, a produção de colágeno e a vascularização começam a diminuir e a cicatriz vai gradualmente assumindo coloração mais próxima à da pele ao seu redor. Após cerca de um ano o processo de cicatrização é concluído. No contexto de um acompanhamento médico, é importante respeitar as fases evolutivas de uma cicatriz. Mas há muito o que podemos fazer para otimizar o processo de cicatrização:

  1. Cuidar da alimentação.
    • Vitamina C é importante na produção do colágeno. Boas fontes são acerola, morango, laranja, limão etc..
    • Carne, leite e ovos ajudam a suprir a necessidade de ferro, proteínas e outros minerais necessários para uma boa cicatrização.
  2. O fumo prejudica a cicatrização. Que tal aproveitar a cirurgia com ensejo para parar de fumar?
  3. Nas orientações pré-cirúrgicas, o cirurgião informará você sobre possíveis restrições de mobilidade no pós-cirúrgico, como por exemplo o raio de movimentação dos braços após mamaplastias ou a postura levemente curvada para a frente após abdominoplastias. Manter as posturas indicadas até liberação médica é primordial para a boa recuperação da incisão.
  4. Medgel (uma fita autoadesiva à base de silicone), por exemplo, pode ser um aliado é no tratamento e prevenção de cicatrizes hipertróficas, queloides e eritema (vermelhidão) da pele no pós-cirúrgico. Ele é de fácil utilização, eficaz no tratamento de cicatrizes recentes ou antigas, só sendo contraindicado em feridas abertas, regiões infectadas e tecido não sadio. A fita reduz o espessamento e dor, devendo ser usada regularmente.
  5. Liberação tecidual funcional (LTF): é uma técnica fisioterápica manual com o objetivo de reorganizar as estruturas dos tecidos, recuperando funcionalidade e flexibilidade e favorecendo o metabolismo normal, tratando problemas como dores, retrações, inchaços etc.
  6. Cremes à base de silicone ou corticoide, dependendo da fase cicatricial e do quadro específico podem também sua indicação. Porém, quando o relevo da cicatriz já está alto, estes tratamentos não ajudam muito. Óleo de rosa mosqueta ajuda a reduzir a coceira provocada pela cicatrização dos tecidos. A massagem feita com cremes cicatrizantes ajuda a prevenir aderências cicatriciais, evitando planos irregulares na superfície da cicatriz.
  7. A injeção de corticoide é mais eficaz na tentativa de paralisar a hipertrofia cicatricial, proporcionando às vezes até a involução.
  8. Injeções com interferon também podem ajudar a melhorar a espessura e aparência cosmética de cicatrizes hipertróficas, pois promovem a lise (dissolução) de colágeno.
  9. Para queloides já bastante desenvolvidos, a cirurgia passa a ser o tratamento mais eficaz. Dependendo da localização e tamanho, podem ser necessárias algumas cirurgias para minimizar o problema e nem sempre é possível eliminá-lo por completo. Devemos ter consciência também de que a cirurgia retira o problema e inicia uma nova cicatriz do zero. A vantagem é permitir uma tentativa de controle da nova cicatriz. Se nada for feito o queloide seguramente retornará.
  10. Betaterapia: tratamento para a pele à base de radioterapia. Reduz a atividade do fibroblasto, célula responsável pela produção do colágeno. Com isso, reduz a chance deste retornar. É recomendado que a cicatriz seja retirada cirurgicamente e, após a cirurgia, é utilizada a Betaterapia para evitar que o queloide reapareça. A quantidade e duração das sessões é proporcional ao tamanho da cicatriz. O tratamento é simples, indolor, totalmente seguro e sua penetração se limita à pele. Apesar do alto custo, atualmente este é um dos tratamentos para queloide mais eficazes.
  11. Em especial no caso de cicatrizes deprimidas (como as de acne, marcas de catapora/varíola, cirurgias ou irregularidades pequenas da superfície da pele), podem ser indicados:
    • Peeling químico: provoca uma queimadura controlada da pele, podendo atingir diferentes profundidades de acordo com o protocolo adotado.
    • Dermoabrasão: Um equipamento remove camadas superficiais da pele e dando um contorno mais homogêneo a superfície da pele.
    • Preenchimento com biomateriais como ácido hialurônico ou PMMA (polimetilmetacrilato).
  12. Laser: Diferentes lasers podem ser utilizados, dependendo da indicação:
    • Resurfacing com laser fracionado CO2: indicado para cicatrizes por acne ou outros tipos de cicatrizes atróficas.
    • Dye laser pulsado: usa luz amarela para remover cicatrizes avermelhadas e aplainar cicatrizes hipertróficas; melhora a sensação de prurido e queimação da cicatriz.

Converse com seu médico antes da cirurgia se já teve problemas de cicatrização em cirurgias passadas (queloides, cicatrizes hipertróficas). Ideal nesses casos é já antes mesmo da cirurgia traçar uma estratégia.

Lembre-se! NÃO SE AUTO-MEDIQUE! Cada caso é um caso e a definição da conduta médica correta passa sempre por uma extensa e criteriosa avaliação, além de exigir acompanhamento, reavaliação e adequação regular de conduta.

Confira também informações do nosso site sobre: